top of page

Natureza Efêmera - leitura de obra

Atualizado: 22 de set. de 2023

O cerrado é o nosso bioma principal e sua riqueza a cada ano é depredada através dos processos de ocupação humana. Todos os habitantes do planeta necessitam de sua flora para a sobrevivência, mas os mais afetados são também os mais vulneráveis, os animais e as populações tradicionais.


No intuito de obter mais conhecimento sobre o assunto, no ano de 2021 realizei uma pesquisa de campo no arredores da capital tocantinense por quatro meses, e a partir desta imersão produzi a exposição Natureza Efêmera.


A abordagem da exposição traz à voga o ciclo da vida, e o caráter impermanente das vivências humanas, que são igualmente experienciadas tanto pelo homem quanto pela natureza, onde a única constância é a mutabilidade. Estabelece um paradoxo entre a inevitabilidade do processo cíclico da vida, como maneira de demonstrar a importância de aceitação dos fenômenos naturais da vida e morte. Essa singularidade e equiparação consciencial enaltecida em Natureza Efêmera estabelece um parâmetro de unicidade entre e homem e natureza.

A utilização das folhagens encontradas no cerrado é fio condutor, meio e fim da obra. Possui caráter de registro e catálogo informal dos exemplares (ainda) existentes neste bioma, que atualmente encontra-se com maior número de plantas em com risco de extinção.


A exibição é composta por 38 obras de arte, as quais são apresentadas em variadas técnicas: colagens, gravuras e processos híbridos. Grande parte delas foram criadas a partir da técnica monotipia, mediante o uso de tinta acrílica, em diferentes tipos de suporte, tais como papel e tecido. Alem disso produzi um livro de artista, duas instalações e três esculturas.


Devido a experimentação com diversos materiais pude usufruir da liberdade criativa, que resultou numa composição eclética, com desdobramentos distintos e riqueza de simbolismos, ao mesmo tempo em que há coerência e unicidade no tema proposto. Passei então a explorar diversas formas de linguagens dentro da temática, desenvolvendo a narrativa de forma orgânica. No processo de criação desenvolvi métodos e narrativas poéticas que vou compartilhar com vocês.


Trago três monotipias, onde fiz a intervenção com nanquim, nelas escrevi à mão livre o nome frutas e noutra nomes científicos de diversas espécies das plantas do cerrado, tal qual escrituras entabuladas, como meio de trazer uma composição visual que simbolize e estabeleça o registro de uma flora que está na iminência de extinção.


Obras com a técnica de colagem, que foram criadas a partir de fotografias realizadas na pesquisa de campo. A escolha por frutos e flores de forma isolada, sem inserir os demais detalhes da fotografia, possibilitou o resultado de imagens limpas e com foco total no objeto pretendido, e destacou a beleza de suas formas.


Vemos obras táteis criadas para que pessoas com deficiência visual ou com baixa visão possam tocá-las, e ao sentir sua textura e contorno, possam ter uma experiência sensorial.


Folhas corroídas, degradadas foram pintadas na cor dourada, como se elas tivessem sendo tomadas pelo ouro, com o intuito de trazer uma reflexão acerca dos interesses comerciais e monetários que vem corrompendo o homem e afetando a natureza.


O Livro da artista é uma obra de arte em si, concebida integralmente em forma de livro. A decisão de desenvolver a narrativa através deste suporte, se deu pela intenção de reforçar a linguagem do registro. A ruptura em propor a obra em um veículo usualmente escrito, mas que aqui, convida a uma leitura não verbal, integralmente visual.

Uma instalação: planta surgindo em meio ao concreto, evocando a força da natureza frente ao urbanização. O título da obra "Quando ainda há esperança", deixa claro o intuito da artista, após inúmeras folhas frágeis e decrepitas em seu estagio final do ciclo da vida, a obras simboliza o recomeço da vida.

Através da vivência em meio ao cerrado pude ver e sentir o quão frágil este bioma se encontra, frente a devastação desenfreada do homem. Ciclos naturais são comuns ao homem e a natureza, qualquer forma de antecipação é uma grave violação ao direto a vida. O meio ambiente, assim como nos serres humanos, também merece estar salvaguardado através dos mecanismos de defesa atuais, cabendo a nos reivindicarmos a prevalência de sua manutenção e continuidade.


Este projeto foi realizado através de recursos do PROMIC 2023.



66 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page